sábado, 5 de setembro de 2009






terça-feira, 14 de julho de 2009

O Mundo Sem Mulheres - Arnaldo Jabor





O cara faz um esforço desgraçado para ficar rico pra quê?
O sujeito quer ficar famoso pra quê?
O indivíduo malha, faz exercícios pra quê?
A verdade é que é a mulher o objetivo do homem.
Tudo que eu quis dizer é que o homem vive em função de você.
Vivem e pensam em você o dia inteiro, a vida inteira.
Se você, mulher, não existisse, o mundo não teria ido pra frente.
Homem algum iria fazer alguma coisa na vida para impressionar outro homem,
para conquistar sujeito igual a ele, de bigode e tudo.
Um mundo só de homens seria o grande erro da criação.
Já dizia a velha frase que "atrás de todo homem bem-sucedido
existe uma grande mulher".
dito está envelhecido.
Hoje eu diria que "na frente de todo homem bem-sucedido existe uma grande mulher".
É você, mulher, quem impulsiona o mundo.
É você quem tem o poder, e não o homem.
É você quem decide a compra do apartamento,
a cor do carro, o filme a ser visto, o local das férias.
Bendita a hora em que você saiu da cozinha e, bem-sucedida,
ficou na frente de todos os homens.
E, se você que está lendo isto aqui for um homem,
tente imaginar a sua vida sem nenhuma mulher.
Aí na sua casa, onde você trabalha, na rua.
Só homens. Já pensou?
Um casamento sem noiva?
Um mundo sem sogras?
Enfim, um mundo sem metas.


ALGUNS MOTIVOS PELOS QUAIS OS HOMENS GOSTAM TANTO DE MULHERES:


1- O cheirinho delas é sempre gostoso, mesmo que seja só xampu.
2- O jeitinho que elas têm de sempre encontrar o lugarzinho certo em nosso ombro,
nosso peito.
3- A facilidade com a qual cabem em nossos braços.
4- O jeito que tem de nos beijar e, de repente, fazer o mundo ficar perfeito.
5- Como são encantadoras quando comem.
6- Elas levam horas para se vestir, mas no final vale a pena.
7- Porque estão sempre quentinhas, mesmo que esteja fazendo trinta graus abaixo de zero lá fora.
8- Como sempre ficam bonitas, mesmo de jeans com camiseta e rabo-de-cavalo.
9- Aquele jeitinho sutil de pedir um elogio.
10- Como ficam lindas quando discutem.
11- O modo que tem de sempre encontrar a nossa mão.
12- O brilho nos olhos quando sorriem.
13- Ouvir a mensagem delas na secretária eletrônica logo depois de uma briga horrível.
14- O jeito que tem de dizer "Não vamos brigar mais, não.."
15- A ternura com que nos beijam quando lhes fazemos uma delicadeza.
16- O modo de nos beijarem quando dizemos "eu te amo".
17- Pensando bem, só o modo de nos beijarem já basta.
18- O modo que têm de se atirar em nossos braços quando choram.
19- O jeito de pedir desculpas por terem chorado por alguma bobagem.
20- O fato de nos darem um tapa achando que vai doer.
21- O modo com que pedem perdão quando o tapa dói mesmo (embora jamais admitamos que doeu.)
22- O jeitinho de dizerem "estou com saudades".
23- As saudades que sentimos delas.
24- A maneira que suas lágrimas tem de nos fazer querer mudar o mundo para que mais nada lhes cause dor.





Arnaldo Jabor

Morrer - Fernando Pessoa




Num artigo muito interessante,
Paulo Angelim,
que é arquiteto, pós-graduado em marketing,
dizia mais ou menos o seguinte:

Nós estamos acostumados a ligar a palavra
morte apenas a ausência de vida e isso é um erro.
Existem outros tipos de morte
e precisamos morrer todo dia.
A morte nada mais é do que uma passagem, uma transformação.
Não existe planta sem a morte da semente,
não existe embrião sem a morte do óvulo
e do esperma, não existe borboleta
sem a morte da lagarta, isso é óbvio.


A morte nada mais é que o ponto de partida para o início de algo novo.


A fronteira entre o passado e o futuro.
Se você quer ser um bom universitário,
mate dentro de você o secundarista aéreo
que acha que ainda tem muito tempo pela frente.


Quer ser um bom profissional?
Então mate dentro de você o universitário descomprometido
que acha que a vida se resume a estudar só o suficiente para fazer as provas.


Quer ter um bom relacionamento?
Então mate dentro de você o jovem inseguro,
ciumento, crítico, exigente, imaturo,
egoísta ou o solteiro solto que pensa que pode fazer planos sozinho,
sem ter que dividir espaços,
projeto e tempo com mais ninguém.


Quer ter boas amizades?
Então mate dentro de si a pessoa insatisfeita e descompromissada,
que só pensa em si mesmo.
Mate a vontade de tentar manipular as pessoas de acordo com a sua conveniência.
Respeite seus amigos, colegas de trabalho e vizinhos.


Enfim todo processo de evolução
exige que matemos o nosso "eu" passado, inferior.


E qual o risco de não agirmos assim?
O risco está em tentarmos ser duas pessoas ao mesmo tempo,
perdendo o nosso foco,
comprometendo essa produtividade,
e,
por fim prejudicando nosso sucesso.


Muitas pessoas não evoluem porque ficam se agarrando ao que eram,
não se projetam para o que serão ou desejam ser.


Elas querem a nova etapa,
sem abrir mão da forma como pensavam ou como agiam.


Acabam se transformando em projetos acabados,
híbridos, adultos infantilizados.


Podemos até agir, às vezes, como meninos,
de tal forma que não mantemos as virtudes de criança
que também são necessários anos, adultos, como:
brincadeira, sorriso fácil, vitalidade, criatividade, tolerância, etc.


Mas, se quisermos ser adultos,
devemos necessariamente matar atitudes infantis,
para passarmos a agir como adultos.


Quer ser alguém
líder, profissional, pai ou mãe, cidadão ou cidadã, amigo ou amiga
melhor e evoluído?


Então, o que você precisa matar em si, ainda hoje,
é o "egoísmo" é o "egocentrismo",
para que nasça o ser que você tanto deseja ser.


O valor das coisas não está no tempo em
que elas duram, mas na intensidade
com que acontecem.


Por isso existem momentos inesquecíveis,
coisas inexplicáveis e pessoas incomparáveis.


Pense nisso e morra.
Mas, não esqueça de nascer melhor ainda.




Fernando Pessoa


segunda-feira, 6 de julho de 2009

O Amor é Filho da Afinidade Espiritual - Khalil Gibran


"É errado pensar que o amor vem do companheirismo
de longo tempo ou do cortejo perseverante.
O amor é filho da afinidade espiritual
e a menos que esta afinidade seja criada em um instante,
ela não será criada em anos, ou mesmo em gerações."




Khalil Gibran




sexta-feira, 19 de junho de 2009

Hey World - ( Don't Give Up Verson)



Tell me why the grass was greener years ago
I swear it used to grow here
But no more here


Tell me why on this hill
All the birds they used to come to fly here
Come to die here


And tell my why i need to know
Sometimes i wish i didn't have to know
All you show me


Hey world what you say
Should i stick around for another day or two
Don't give up on me i won't give up on you
Just believe in me like i believe in you


Tell me why on the corner
All the kids that used to come to run here
Load the guns here


And tell me why it's okay
To kill in the name of the gods we pray


Tell me who said it's okay
To die in the name of the lies we say


Tell me why there's child soldiers
Tell me why they closed the borders
Tell me how to fight disease and
Tell me now won't you please
The only thing i want to do
Is to be in the arms of someone
Who believes in me
Like I believe in you


Hey world what you say
Should i stick around for another day
Hey world what you say
Should i stick around for another day
Hey world what you say
Should i stick around for another day or two
Don't give up on me i won't give up on you
Just believe in me like i believe in you


I try try try try
I try try try try for you
Don't give up on me


And i cry cry cry cry i cry cry cry cry for you
Just believe in me
Like i believe in you




Hey World - Don't Give Up Version (tradução)
Hey Mundo - Não Desista

Conte-me por que razão a grama era mais verde anos atrás
Juro que costumava crescer aqui
Mas não há mais


Conte-me porque nesta colina
Todas as aves que costumavam voar aqui
Vem morrer aqui
E me diga porque eu preciso saber
Às vezes eu desejo não ter que saber
Tudo que você me mostra


Hey mundo o que você diz
Devo ficar para outro dia ou dois
Não desista de mim
Eu não desistirei de você
Apenas acredite em mim como eu acredito em você


Conte-me porque na esquina
Todas as crianças costumam correr aqui
Coloque as armas aqui


E me conte porque é correto
Matar em nome dos deuses a quem oramos


Conte-me quem disse que está certo
Morrer em nome das mentiras que dizemos


Conte-me porque há crianças-soldados
Conte-me como lutar contra as doenças
E me conte agora que você não queria por favor
A única coisa que eu quero fazer
É estar nos braços de alguém
Que creia em mim
Como eu creio em você


Hey mundo o que você diz
Devo ficar para outro dia
Hey mundo o que você diz
Devo ficar para outro dia
Hey mundo o que você diz
Devo ficar para outro dia ou dois
Não desista de mim
Eu não vou desistir de você
Apenas acredite em mim como eu acredito em você


Eu tento, tento, tento, tento
Eu tento, tento, tento, tento para você
Não desista de mim
E eu choro, choro, choro, choro, eu choro, choro, choro, choro, por você
Apenas acredite em mim como eu acredito em você

Hey World - Don't Give Up Version
Michael Franti & Spearhead

domingo, 24 de maio de 2009

Difícil é Ser Transparente - Rosana Braga




Às vezes, fico me perguntando porque é tão difícil ser transparente? Costumamos acreditar que ser transparente é simplesmente ser sincero, não enganar os outros. Mas ser transparente é muito mais do que isso. É ter coragem de se expor, de ser frágil, de chorar, de falar do que a gente sente...

Ser transparente é desnudar a alma, é deixar cair as máscaras, baixar as armas, destruir os imensos e grossos muros que nos empenhamos tanto para levantar...

Ser transparente é permitir que toda a nossa doçura aflore, desabroche, transborde!Mas infelizmente, quase sempre,a maioria de nós decide não correr esse risco. Preferimos a dureza da razão à leveza que exporia toda a fragilidade humana. Preferimos o nó na garganta às lágrimas que brotam do mais profundo de nosso ser...

Preferimos nos perder numa busca insana por respostas imediatas à simplesmente nos entregar e admitir que não sabemos, que temos medo! Por mais doloroso que seja ter de construir uma máscara que nos distância cada vez mais de quem realmente somos, preferimos assim: manter uma imagem que nos dê a sensação de proteção... E assim, vamos nos afogando mais e mais em falsas palavras, em falsas atitudes, em falsos sentimentos.

Não porque sejamos pessoas mentirosas, mas apenas porque nos perdemos de nós mesmos e já não sabemos onde está nossa brandura, nosso amor mais intenso e não-contaminado. Com o passar dos anos, um vazio frio e escuro nos faz perceber que já não sabemos dar e nem pedir o que de mais precioso temos a compartilhar, doçura, compaixão... a compreensão de que todos nós sofremos, nos sentimos sós, imensamente tristes e choramos baixinho antes de dormir, num silêncio que nos remete a uma saudade desesperada de nós mesmos...

Daquilo que pulsa e grita dentro de nós, mas que não temos coragem de mostrar àqueles que mais amamos!

Porque, infelizmente, aprendemos que é melhor revidar, descontar, agredir, acusar, criticar e julgar do que simplesmente dizer: "você está me machucando... pode parar, por favor?". Porque aprendemos que dizer isso é ser fraco, é ser bobo, é ser menos do que o outro. Quando, na verdade, se agíssemos com o coração, poderíamos evitar tanta dor, tanta dor... Sugiro que deixemos explodir toda a nossa doçura! Que consigamos não prender o choro, não conter a gargalhada, não esconder tanto o nosso medo, não desejar parecer tão invencível.





Rosana Braga